21 de jul de 2008

Culpa

Você em meus comodos ainda dança
descaso, ódio, compaixão e fragrância.
Lembrei-me do sabor que o beijo alcança
volúpia, desejo, satisfação e ausência.

Em nossa maldição nos envolvemos
lançamo-nos mais uma vezes ao acaso.
Um dia assim, nos mataremos
lembrando da vida, sempre em atraso.

A faca em minha mão, ou em minha língua.
Suas faces ao chão, coração à mingua.

Carrego a culpa de não me entregar
De gostar quando vejo sangue escorrer
de olhos imaculados, que gostam de chorar
de um amor antiquado, que insiste em não morrer.

Ritielle Souza

Nenhum comentário: