6 de fev de 2009

Diabétes na escola...


Li essa reportagem da Folha de São Paulo e lembrei de uma amiga no tempo de escola que é diabética ( o Erick lembra da Miriam né? ).
Ela aplicava insulina todas as manhãs , e sozinha.
tudo bem, já éramos adolescentes, mas muitas vezes eu precisava acompanhá-la, eu estava sempre preocupada para não baixar demais a taxa de açucar dela e passar mal por causa da hipoglecimia.
Vida de diabético não é fácil. Imagine de crianças e adolescentes em idade escolar.
A verdade é uma só, as escolas não estão preparadas para casos que fujam no dito ' comum'.
E nós estudávamos em uma das melhores escolas particulares de Curitiba, imagine se fosse numa escola pública. Nem banheiro aberto na hora do intervalo teria, porque isso acontecia muitas vezes...
E diabete está cada vez mais comum em crianças. E muitas vezes só se descobre a doença quando a criança entre em coma, ou passa muito mal. Portanto, diminuir os doces nas crianças é fundamental por diversos aspectos, inclusive não deixar as crianças muito tempo sem se aliemntar. Diabete e hipoglicemia andam juntas. E ambas são crônicas e podem ser fatais se não corrigidas a tempo.
Eu sou hipoglicemica, vivo beliscando comida, como muito doce e não engordo tanto. Mas não posso abusar...

Bjs Cris

Um comentário:

Simo disse...

Cris, a tecnologia vem ai amiga... Cocordo que as escolas estão despreparadas para o casos que fogem do cimum... tive um aluno com HIV, e precisa ver o sufoco que era...

Mas para os diabético tem uma novidade a caminho que poder´dar adeus às injeções: um dentista meu participou de um grupo de testes de insulina em bombinhas... Sabe essas para asma!! Então, a isulina vem num pacotinho pequenino, as pessoas colocam ela na "bombinha" ela "vira gás" e a pessoa inala como nas bombinhas pra asma... não será legal!